O Legado de Allan Kardec

24/10/2021

J. Herculano Pires*

A natureza humana determina as condições básicas para se viver de acordo com as necessidades de sobrevivência e a manutenção da maquinaria orgânica construída a partir do determinismo divino ao longo da caminhada do espírito em sua trajetória infra-humana.

Com o advento do livre-arbítrio, o ser humano pôde ir construindo a responsabilidade pelo inestimável bem de viver a vilegiatura corporal. Assumindo a consciência inata do propósito teleológico de sua inserção no mundo das formas e utilizando-se da vontade norteada pela razão, torna-se um ser existente e não apenas um vivente.

Há, no entanto, aqueles que passam pela vida, como se  ainda se encontrassem sob os interesses meramente sensoriais, à cata de prazeres físicos, bloqueando sua capacidade existencial, como se subsistissem. A sua contribuição para a obra de Deus faz-se apagada, rala, e suas marcas pelas estradas palmilhadas se esboroam e desaparecem com o sopro das aragens do tempo.

Há, por outro lado, os que se distanciam de seus deveres, subvertendo a ordem e os objetivos maiores de sua incursão no educandário terreno, assumindo sua condição existencial para subjugar, explorar, violentar e ferir consciências e suscetibilidades, quando impõem sua vontade a ferro e fogo, causando devastação e morticínio.

Embora seu caminho permaneça marcado pela dor e a injustiça, a violência e a maldade, são, via de regra, amaldiçoados ou estudados como casos de psicopatologia.

A consciência supra-existencial, porém, antídoto da inação e da má ação, constrói nos mais diversos ramos do conhecimento humano as bases e os fundamentos imprescindíveis para o bom contágio na formatação do progresso e do equilíbrio.

Atravessam as paisagens do viver na edificação de uma existência repleta de exemplos, modelos humanos para a humanidade, clarões refulgentes na destruição das trevas da ignorância.

O Espiritismo é um legado para toda a Humanidade, a desfazer os véus com que eram encobertas as grandes verdades sobre as relações das duas coletividades que constituem uma só, unicamente separadas pela atmosfera densa do planeta. Delineia-se, assim, uma interexistência com uma metassociedade.

A morte desaparece como entidade aterradora e cruel. |O destino do homem e as suas dificuldades e limitações são analisadas e explicadas em consonância com uma Inteligência Suprema misericordiosa e justa.

Allan Kardec soube conduzir-se à frente do seu tempo, um vanguardeiro de luz, um fiel combatente o lado do Cristo, por isso mesmo, oferece-nos um legado sagrado, no sentido não místico do termo, deixando pelas estradas que caminhou marcas luminosas e alvissareiras, futuristas e consoladoras para seus tutelados da Terra.

A nós, além da imorredoura gratidão ao gigante da Rua dos Mártires, deve aflorar uma questão interior: O que temos feito com o legado de Allan Kardec?

( *Página psicografada em 29/9/2017 por Francisco Cajazeiras )